Voo 477 transportava 80 brasileiros, segundo Air France

Havia 80 brasileiros a bordo do avião que desapareceu após decolar do Rio de Janeiro com destino a Paris, informou um representante da Air France nesta segunda-feira (1). Segundo o gerente da Air France no Aeroporto Internacional Tom Jobim, Antonio Jorge Assunção, 37% dos 216 passageiros eram brasileiros e 34% franceses. "Estamos consolidando a lista com a Polícia Federal, são números próximos que não estão distantes da realidade", disse a repórteres o gerente da Air France, Antonio Jorge Assunção. De acordo com o jornal francês “Le Fígaro”, a Air France confirmou a presença de 18 alemães, seis americanos, cinco chineses, quatro húngaros, dois britânicos, dois marroquinos e dois irlandeses. Há também um angolano, um argentina, um belga, um islandês, um norueguês e um polonês. O voo AF 447, operado por um Airbus A 330-200, desapareceu com 228 pessoas a bordo depois de decolar do Rio às 19h de domingo (31). A chegada na capital francesa estava prevista para as 6h15 (de Brasília), segundo a empresa. Trajeto do avião Air Bus, 447 Dentre os passageiros, 126 são homens, 82 mulheres, além de sete crianças e um bebê. Dos tripulantes, três são resposáveis pela condução da aeronave e 12 pelo atendimento aos passageiros. Passageiros A lista oficial de passageiros ainda não foi divulgada, mas já há confirmação de alguns dos ocupantes da aeronave. A assessoria da imprensa da prefeitura do Rio de Janeiro informou que o chefe de gabinete do prefeito Eduardo Paes, Marcelo Parente, de 38 anos, e sua mulher, cujo nome não foi divulgado, estavam no voo. Eles viajavam a passeio. O prefeito Eduardo Paes foi ao aeroporto Tom Jobim esta manhã em busca de mais informações. O presidente do Conselho de Administração da ThyssenKrupp Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), Erich Heine, também estava a bordo do voo desaparecido da Air France, segundo uma fonte da empresa. A CSA é uma joint-venture de € 4,5 bilhões entre a ThyssenKrupp e a Vale. A siderúrgica deve iniciar a produção em dezembro. A alemã ThyssenKrupp controla 90% do negócio e a Vale detém participação de 10%. Além deles, três executivos da companhia francesa Michelin estavam no voo. Segundo a empresa, dois são brasileiros: o presidente da Michelin para a América do Sul, Luiz Roberto Anastácio, e o diretor de Informática, Antônio Gueiros. A terceira funcionária é a francesa Christine Pieraesrts. A Michelin informou que os brasileiros seguiam para uma reunião na unidade da Michelin na cidade francesa de Clermond-Ferrand. Já Christine retornava a seu país após participar de reuniões no Brasil. Príncipe O príncipe Pedro Luis de Orleans e Bragança, de 26 anos, quarto na linha sucessória do trono e membro da família imperial também viajava no 447. A informação foi confirmada pelo escritório que representa a família Orleans e Bragança em São Paulo. Os pais do príncipe são Dom Antonio de Orleans e Bragança, terceiro na linha sucessória, e Dona Cristina de Orleans e Bragança. Segundo informações da assessoria de imprensa da família, o príncipe morava em Luxemburgo e retornava ao continente europeu após uma pequena viagem a negócios ao Brasil e visitas à família, que mora em Petrópolis, cidade da região serrana no Rio.

Nenhum comentário