Lamentável: Relator vota no STF pela legalidade do aborto de feto sem cérebro


Relator de ação proposta em 2004 pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde, o ministro Marco Aurélio Mello votou a favor da descriminalização do aborto de fetos sem cérebro em julgamento nesta quarta-feira (11) no Supremo Tribunal Federal. O ministro defendeu que é inconstitucional a intepretação segundo a qual interromper a gravidez de feto anencéfalo é crime previsto no Código Penal.

A entidade pede que o Supremo interprete o Código Penal para permitir que, em caso de anencefalia, a mulher possa escolher interromper a gravidez. Por lei, o aborto é crime em todos os casos, exceto se houver estupro ou risco de morte da mãe.

Silas Malafaia: “Há alguns anos atrás, ouvi um ministro do STF, que não me recordo o nome, dizer a seguinte frase: “Todo ser humano nasce para morrer, pode ser no momento em que a mãe dá a luz, ou na idade adulta, mas nenhum ser humano tem a autoridade de determinar sobre a hora, e o momento em que o outro semelhante deve morrer”.

Se na época do nazismo, Hitler queria fazer depuração da raça, esta é a moderna depuração dos nossos tempos. Aborto de anencéfalos, daqui a pouco aborto para quem tem síndrome de down, depois qualquer bebê na barriga da mãe que tenha qualquer deficiência.”
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Comentários
0 Comentários
Obrigado pelo seu comentário
var pres = document.getElementsByTagName("pre"); for (var i = 0; i < pres.length; i++) { pres[i].addEventListener("dblclick", function () { var selection = getSelection(); var range = document.createRange(); range.selectNodeContents(this); selection.removeAllRanges(); selection.addRange(range); }, false); }