UNIVERSAL MUSIC ENTRA NO SEGMENTO MUSICAL CRISTÃO EM PARCERIA COM UM ENTRETENIMENTO, DE LEO GANEM‏

UM ENTRETENIMENTO CHEGA AO MERCADO COM MODELO DE ATUAÇÃO INÉDITO NO PAÍS
 
Empresa fundada por Leo Ganem e Emilio Magnago é focada no segmento cristão e tem parceria com a Universal Music
A partir deste mês de setembro, iniciam-se as operações da Um Entretenimento, fundada por Leo Ganem, que foi CEO da GEO Eventos e da Som Livre, e Emilio Magnago, ex-diretor comercial da Som Livre. Primeira agência brasileira focada no segmento musical cristão, a Um apresenta modelo de negócios inédito no país e tem parceria com a Universal Music. Com sede no Rio de Janeiro e planos de abrir unidades em São Paulo e em Belo Horizonte até meados de 2014, a empresa tem previsão de faturar R$ 10 milhões em seu primeiro ano - excluindo o faturamento da Universal com a venda de CDs, DVDs e faixas digitais.
“Vamos trabalhar com bandas, ministérios, pastores, padres e profissionais que usam diversos estilos musicais para transmitir as suas mensagens. A Um Entretenimento vai prover para esses cantores e cantoras todo o apoio de gestão de carreira, marketing (inclusive digital),agendamento de shows e relações públicas, afirma Ganem. Além disso, através de uma parceria exclusiva com a Universal, a Um Entretenimento vai apoiar a produção, a distribuição e a venda de produtos físicos e digitais desses artistas no Brasil e no mundo.
“Com esse movimento, a Universal passa a investir com força em um segmento que cresce mais de 30% ao ano e que já se configura como o segundo mais consumido do país, atrás apenas do sertanejo”, explica José Eboli, presidente da Universal Music no Brasil.
Segundo Magnago, a agência funcionará como um departamento de A&R (Artístico e Repertório) e de marketing cristão da Universal. Ela fará a ponte com os artistas, negociará contratos e criará, junto com a equipe da Universal, a estratégia de marketing e vendas do casting evangélico e católico. Um artista pode assinar só com a gravadora ou com as duas empresas, utilizando os serviços que melhor lhe convier. “Priorizamos nomes que são do interesse da Universal. Mas se por acaso a gravadora não puder ou não tiver interesse em determinado artista, estamos livres para trabalhá-lo separadamente, somente como agência", comenta. Neste primeiro momento, a empresa tem previsão de atuar com 20 profissionais.

SOBRE LEO GANEM - Formado em Biologia pela Wittenberg University, seguiu a carreira de pesquisador por 10 anos, obtendo seu PhD da University of Wisconsin-Madison e terminando seu pós-doutorado em Harvard. Aos 29 anos, Leo mudou de rumo ao ingressar no escritório carioca da empresa McKinsey & Company, onde trabalhou como consultor em diferentes indústrias. Depois da passagem de quatro anos pela McKinsey, finalmente encontrou e se apaixonou pela indústria da música e do entretenimento. Como presidente da Som Livre, gravadora do grupo Globo, foi diretamente responsável pelo lançamento da carreira de artistas como Maria Gadú, Padre Fábio de Melo, Luan Santana, Michel Teló e Gustavo Lima, e recolocou a tradicional gravadora no mapa musical brasileiro. Com apenas 41 anos, assumiu o comando de outra empresa do grupo Globo, a Geo Eventos, que trouxe para o Brasil pela primeira vez o Festival Lollapalooza.Em ambas as empresas, esteve sempre muito próximo ao segmento evangélico. Na Som Livre, foi responsável por assinar o contrato com o Diante do Trono e abrir as portas de uma gravadora secular para esse segmento pela primeira vez no Brasil. Criou também o Festival e Troféu Promessas, que mais tarde veio a produzir como presidente da Geo.
SOBRE EMILIO MAGNAGO - Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Emilio Magnago sempre esteve envolvido com música. Primeiro, como colecionador de CDs raros. Depois, profissionalmente. Magnago trabalhou por seis anos na gravadora multinacional BMG e comandou a área comercial da Som Livre por sete anos. Durante a sua passagem por esta última, foi o idealizador da coletânea evangélica Promessas, primeiro produto da gravadora no segmento, e posteriormente apoiou a transformação da marca em Festival e Troféu.

Nenhum comentário