Header Ads


Fracassos que deveriam ser sucessos - Part. 1

Em 2006, depois de garantir sua permanência entre as maiores cantoras pentecostais graças ao estrondoso sucesso dos CDs ‘Até o Fim’ e ‘Pérola’, que venderam milhares de cópias e emplacaram várias músicas nas igrejas do Brasil, Elaine de Jesus, lançava ao mercado da música gospel um CD que dividiu opiniões.

‘Sala do Trono’ marcava o fim da parceria da cantora com o produtor Jairinho Manhães, que havia produzido seus discos anteriores e que, coincidentemente, eram até então os mais bem sucedidos.

O disco, dessa vez produzido por Rogério Vieira - já muito requisitado na época por produzir os álbuns de Aline Barros -, veio com versões e um toque internacional nunca investido até então por uma cantora pentecostal.

O resultado de tantas inovações em um CD fez com que muitos desaprovassem o trabalho porque, por exemplo, o álbum possuía músicas complicadas de se cantar nas igrejas devido ao tom e também ao estilo Pop bastante presente nas faixas. Sobrou para ‘Autoridade Divina’ e ‘Terremoto de Glória’ o papel de fazer sucesso nas igrejas e, mesmo assim, não causou tanto impacto como ‘É Demais’ ou mesmo ‘Terremoto Santo’ (álbuns de maiores sucessos da cantora).

Como resultado, o disco teria vendido mais ou menos 200 mil exemplares, quantidade inegavelmente baixa para uma cantora que há dois anos chegou a marca de 600 mil exemplares com o disco ‘Pérola’, um marco na música pentecostal brasileira.

Mas, e se o disco fosse lançado nos dias de hoje? Sem dúvida nenhuma teria mais reconhecimento, pois contém músicas ótimas como a própria faixa título, composta por Elizeu Gomes, e uma das canções mais bem feitas sobre a chegada da Igreja no céu... Ou mesmo ‘Há Uma Esperança’, que mescla o pop com o pentecostal e, com certeza, ganharia os conjuntos de mocidade pelas igrejas do Brasil.

Uma prova é que quando a canção ‘Autoridade Divina’ foi incluída na coletânea ‘Promessas - Pentecostal’ da gravadora Som Livre, e o seu clipe abria o comercial que passava em rede nacional na emissora Rede Globo, a música voltou a ser destaque nas igrejas e a ter milhares de acessos no Youtube, fazendo até mesmo com que o disco ‘Sala do Trono’ viesse a ser relançado pela Aliança, que entrou em parceria com a cantora para que isso pudesse acontecer.

O fato é que a cantora Elaine de Jesus pagou o preço por trazer a inovação para a música pentecostal, incluindo o estilo pop em seus álbuns. E talvez, se hoje muitas cantoras podem trazer inovações em seus trabalhos sem sofrerem julgamentos foi graças à Elaine de Jesus, que foi a pioneira em tal feito.

‘Sala do Trono’ e seu consecutivo álbum, ‘Transparência’, são os melhores discos Pop Pentecostais lançados até os dias de hoje!

Por Herick Marques Diener
NewsGospel

6 comentários:

  1. Transparencia foi mais fracasso que esse...

    ResponderExcluir
  2. Eu amo esse CD! Mas quase ngm falou dele mesmo...

    ResponderExcluir
  3. BARBIE GOSPEEEL <3 <3

    ResponderExcluir
  4. A Elaine consegue fazer o melhor pop pentecostal do Brasil,apesar de gostar mais do pentecostal,mas ela é sem duvida a melhor!!

    ResponderExcluir
  5. Foi mais fracasso do q vc imagina, ate pq n sail da primeira tiragem (aa100.000) flopou

    ResponderExcluir
  6. Comprei os dois anos depois d lancados devido ao comercial e o clipe autoridade divina....Mas de cara ficaram bem longeee dos dois antecessores Foi queda livre mesmo.

    ResponderExcluir