Análise: CD "O Milagre Sou Eu" - Eyshila



Eyshila veio preparando território por um bom tempo antes de ter seu ministério carimbado como um dos mais consagrados na indústria da música cristã nacional. 

Inicialmente, fez parte de um dos grupos mais importantes das décadas de oitenta e noventa, o Altos Louvores e, anos depois de sua singela e boicotada introdução na carreira solo, integrou o Voices, formado pela necessidade que sua então gravadora sentiu de atender ao mercado internacional, ironicamente caindo nas graças do público brasileiro e despontando grande sucesso antes mesmo da carreira solo da artista. 

Mas não teve muito jeito, a grande compositora e intérprete só precisava do repertório certo para que seu ministério alcançasse o território nacional e, o que o disco "Na Casa de Deus" começou de forma minimalista, os álbuns "Terremoto", "Até Tocar o Céu" e "Nada Pode Calar Um Adorador" foram completamente capazes de fazer, pendurando várias canções no topo das rádios do país, liderando vendas em várias regiões e consagrando de vez a cantora como uma das maiores do gênero aqui do Brasil.

Depois de uma série de álbuns não muito aclamados pelo público quando colocados lado a lado com seus anteriores em questão de receptividade, a cantora voltou a estar no epicentro dos assuntos mais comentados na esfera evangélica, só que desta vez não era por sua música estar sendo muito cantada nas rádios e igrejas, nem por seu disco figurar entre os mais vendidos do meio, ou quem sabe alguma composição sua estar repercutindo na voz de uma outra cantora. No dia 14 de Junho de 2016, em uma tarde de terça-feira, na qual, praticamente, todo o país já estava há dias orando e clamando em um só propósito, a notícia de que seu filho mais velho Matheus Oliveira tinha falecido tomou conta das redes sociais e meios de televisão nacional, chocando e gerando comoção em todos que acompanharam o clamor da cantora e seus parentes pela cura do menino.

O fato veio para materializar e dar como exemplo o que muitas pessoas já estavam cantando durante todo o ano quando canções sobre a vontade de Deus ser soberana perante a nossa e Ele continuar sendo Deus tomou conta das rádios. 

E o que realmente acontece conosco quando o que Deus tem reservado não é necessariamente o que estamos esperando? Eyshila retorna semanas depois do trágico momento que viveu com sua família dando a resposta para essa questão ao dizer que o milagre que deveria ser operado era em nós mesmos que ficamos, que lutamos e que vamos superar ao depositar nossas forças em Deus.

Como existem males que vem para um bem maior, a cantora declarou que nunca pôde pregar tanto sobre o amor de Deus em seus muitos anos de ministério o quanto pregou com a morte repentina de seu filho, fazendo com que sua força perante o fato virasse exemplo e testemunho para muitas pessoas.

Por fim, o décimo segundo disco da artista que estava sendo preparado antes do ocorrido teve suas preparações retomadas, mas trazendo agora um novo conceito e uma nova mensagem para o ansioso público que aguardava algo, musicalmente falando, por parte da cantora. 

Trazendo treze músicas produzidas pelo maestro Sérgio Assunção, com exceção da música título que ficou a cargo de Emerson Pinheiro, o disco começa a ser distribuído três meses e meio após o fato que originalizou o título da obra, "O Milagre Sou Eu". 

As fotos que compõe o projeto gráfico do material são bem intimistas, obviamente. Trazendo o conceito de imagens feitas em quadros de pinturas em aquarelas por Eudes Correia. Ao passar das lâminas vemos quase a história familiar da cantora sendo contada. Ela e seu marido, os pais com seus dois filhos, a última foto que a cantora tirou com seu primogênito antes dele falecer e seu marido acompanhado de seu filho mais novo, sendo o trio que compõe a família da cantora, atualmente. 

O material forma sua primeira trilogia a ser distribuída pela gravadora Central Gospel Music, que enviou para a fábrica pouco menos de vinte mil cópias para logo em seguida comercializar. 

Vamos falar sobre cada música presente na obra agora. Preparados?!


01. O Milagre Sou Eu | (Composição: Eyshila) | Duração 4:06 

A música de abertura do álbum foi composta dois dias após a morte do filho da cantora, em um momento no qual ela compreendeu o que Deus queria dizer quando levou um de seus bens mais preciosos. 

Repensando o fato de que com o falecimento do menino ela jamais voltaria a cantar outra vez, o conteúdo pertencente a letra da canção fala sobre aceitar o que Deus tem proposto para nossas vidas e que toda dor é amenizada quando se está ao lado do Senhor. 

Para somar com o contexto no qual a música foi concebida, seu filho mais novo Lucas Santos faz uma pequena participação na faixa em sua reta final, deixando a canção mais emocionante ainda ao fazer a segunda voz para sua mãe. 

"Se Ele quiser, Ele ressuscita mortos, Ele faz o impossível, tudo porque Ele é Deus. Mas se Ele não quer que aconteça do meu jeito, eu declaro que eu aceito. E agora o milagre sou eu", diz um de seus versos.

A música tem sido bastante divulgada em meios de televisão, como no Programa do Gugu - o Domingo Legal - e no Programa do Raul Gil, onde a cantora já passou para contar seu forte testemunho e interpretar a faixa.

Um lyric vídeo oficial para a faixa foi disponibilizado, sendo desenvolvido pelo designer Mateus Araújo, alcançando quase um milhão de visualizações em pouquíssimo tempo e você pode vê-lo clicando aqui.


02. Digno | (Composição: Marcos Brunet) | Duração 7:27

Dando sequência ao material, a segunda música é praticamente uma versão internacional de um compositor que já havia chamado atenção do público ao compor o título do mais recente álbum da cantora pentecostal Cassiane, o brasileiro Marcos Brunet, que reside atualmente na Argentina, mas investiu em uma carreira de sucesso cantando em espanhol.

Contendo pouco mais de sete minutos e levando o título de faixa mais longa do disco, sua letra aborda a extraordinária soberania de Deus e Sua facilidade em perdoar nossos contínuos erros. 

A produção da música contém a presença forte de guitarras, se assemelhando bastante ao som que cantores do estilo Worship tem inserido em seus mais recentes trabalhos. 

Em certos momentos, principalmente na parte final da canção, a cantora começa a ministrar através da letra da canção, como um pequeno espontâneo que, apesar de deixar a canção maior, não faz com que você queira pular para a próxima música em nenhum momento.


03. Descansa O Seu Coração | (Composição: Denilo Marçal / Eyshila) | Duração 5:16 

O que esperar quando dois grandes compositores se unem para que nasça uma canção? Eyshila sempre dispensou comentários quanto a sua capacidade de compor e Denilo Marçal é uma das grandes revelações dos últimos anos, não só como cantor, mas como escritor de músicas bem bacanas. 

O conteúdo lírico da faixa é um complemento para a música título da obra, pois diz que é necessário descansar e confiar em Deus, pois Ele nos prepara um milagre para vivermos dia após dia, até que a promessa se cumpra. 

Dentre as duas canções anteriores, essa canção é a menos interessante do material, apesar de não ser necessariamente descartável e ficar melhor com o passar dos versos. 

"Confie nele em todos os momentos, ó povo. Derrame diante dele o coração, pois ele é o nosso refúgio". Salmos 62.8


04. Licença Para A Vida | (Composição: Eyshila) | Duração 5:53

Em sua primeira entrevista televisiva após a morte de seu filho, a cantora falou sobre ter o direito de continuar vivendo mesmo após sua perda, pois Deus permitiu que seu filho fosse para os céus, não ela. 

E esse contexto se encaixa bastante nessa faixa que diz em sua letra que Deus é o nosso fôlego de vida e, que a permissão para que continuemos vivendo vem, exclusivamente, de sua parte. 

"Tua presença é a licença que eu tenho para a vida. Consolador, Redentor. Ninguém pode impedir teus planos, autor da minha fé. Dono do fôlego que me mantém de pé", diz parte do refrão da música.

Em determinado momento da canção, a cantora profetiza o sopro de Deus sobre as famílias, doentes e pessoas que perderam a vontade de viver, fato que quase aconteceu com a cantora perante o fato que assolou sua família.

Destaque para o vocal presente em momentos específicos da canção, como quando era necessário mais força no refrão da faixa e outros em sussurros que ocorrem na fase final da música. 

A produção trouxe o que a canção pediu em seu decorrer e se sobressaiu nos segundos finais ao inserir na faixa sons do batimento cardíaco do coração.


05. Batiza Com Fogo | (Composição: Eyshila) | Duração 6:19 

Uma das primeiras músicas escritas para integrar a obra antes do ocorrido que gerou uma reviravolta no conceito, dando um novo rumo para o álbum.

Já conhecida por muitos que ficam ligados no que saiu nas redes sociais e plataformas, a canção já havia sido interpretada pela cantora anteriormente em uma de suas apresentações em igrejas, resultando na liberação da faixa em formatos de vídeos e áudios no YouTube. 

Seu estilo faz com que a música se aproxime do estilo congregacional que algumas de suas canções são construídas, sendo inclusas em álbuns como "Terremoto" e "Até Tocar o Céu", sendo sua letra praticamente baseada na passagem bíblica do dia de pentecostes, no qual o Espírito Santo desceu e encheu toda uma casa, marcando a história dos presentes no local.

Segunda música do disco que traz uma sonoridade semelhante aos de trabalhos constituídos no estilo Worship, o que faz com que a canção seja uma boa escolha para ser incluída em ministérios de louvor das igrejas de qualquer denominação.

É uma das melhores canções do material e, para fugir um pouco do tema melancólico que abriu o trabalho nas rádios e plataformas digitais, sugiro que possa ser usada pela gravadora como música de trabalho sucessora por ter um conteúdo interessante para tal.

"De repente veio do céu um som, como de um vento muito forte, e encheu toda a casa na qual estavam assentados. E viram o que parecia línguas de fogo, que se separaram e pousaram sobre cada um deles". Atos 2.2,3


06. Teu Reino | (Composição: Eyshila) | Duração 5:57 

Estamos praticamente na metade do álbum e, até então, nenhuma música tinha me decepcionado na questão de suas letras somadas às respectivas melodias. Mas essa aqui não é, definitivamente, uma das faixas mais interessantes do material.

Sua letra fala sobre buscar o reino de Deus antes de todas as outras coisas terrenas, pois como diz a própria palavra: dessa forma as demais coisas nos serão acrescentadas por Deus. E esse tema apresentado no conteúdo lírico é repetido excessivamente no refrão da faixa, o que penaliza para que a mesma não seja tão boa quanto às suas irmãs anteriores. 

A parte mais proveitosa da canção fica em sua ponte, que é entoada após a segunda repetição do refrão, no qual temos um verso cantado aceleradamente pela cantora, como já feito pela mesma em canções de outros álbuns seus, como "Deus Está me Ensinando" ou "Adoração".


07. Presença | (Composição: Denilo Marçal) | Duração 3:59

Primeira música inédita do material que não contém a mão da cantora em sua composição, foi escrita pelo cantor Denilo Marçal que já apareceu na composição da segunda faixa do material, porém em dupla com a cantora. 

A faixa é bastante minimalista até mesmo em sua produção e sua letra fala sobre ir perante a Deus não em troca de suas bênçãos ou motivado pela multidão, mas, sim, para buscar Sua gloriosa presença. 

Para complementar seu sincero conteúdo, foi inserido em seu meio um trecho do hino "Doce Presença", entoado em grande parte pelo vocal, que se constituiu em nomes como Liz Lanne, Lilian Azevedo, Marquinhos Menezes, Lucas Santos e outros. 

É bem curta em sua duração e boa dica para se ouvir em momentos de oração e intimidade para com Deus.


08. Em Tua Presença | (Composição: Alda Célia) | Duração 6:08 

Um dos grandes álbuns do ministério da cantora Fernanda Brum, amiga de longa data de Eyshila e presente em todas as fases de sua vida, incluindo as ruins, tem um pedacinho seu incluso no repertório da obra. 

Essa canção, composta pela pastora e cantora Alda Célia, faz parte do disco "Apenas Um Toque", lançado há mais de dez anos pela cantora já citada acima, que se tornou um dos discos mais relevantes na música cristã nacional e, que também traz o conceito de pintura em aquarela em sua capa, assim como este álbum que analiso, coincidentemente. 

Sua letra tem um conteúdo bastante semelhante ao da canção anterior, que só possui dez anos de diferença no que diz respeito ao tempo de separação entre suas composições, pois, na realidade, a mensagem que trazem é a mesma. 

Mesmo não curtindo quando os cantores regravam músicas que já foram sucesso na voz e interpretação de outros artistas, acredito que a cantora tenha um motivo especial para ter incluído a canção no repertório do álbum em questão.

É interessante para quem gosta da canção ter a opção de uma nova releitura para cantar a faixa em sua igreja.

Lembrando que a música também foi gravada por sua compositora original, Alda Célia, em seu disco mais recente pela gravadora Som Livre.



09. Seja Bem-vindo | (Composição: Emerson Pinheiro / Klênio) | Duração 4:26 

Originalmente integrante do disco "Na Casa de Deus", lançado no início da década passada e um dos responsáveis por sua ascensão na música gospel, é a terceira regravação presente na obra e a segunda mais conhecida por uma boa parte do público.

A letra da música é um convite para que Deus habite em nosso meio, e fecha basicamente uma trilogia de canções em sequência do disco que falam sobre a presença de Deus e sua grande importância. 

Essa nova versão se tornou mais crescente em questão de produção e interpretação do que sua versão original produzida por outro nome, o que torna a regravação um pouco mais interessante. 

Não era uma das melhores faixas incluídas em seu álbum original e, também, não é um dos destaques desse álbum, apesar de ter sido selecionada pela cantora no repertório por um motivo especial, sem dúvidas.


10. Teu Óleo Vim Buscar | (Composição: Wagner Mocasy) | Duração 4:03 

A décima música do álbum mantém o estilo de adoração que boa parte das canções anteriores do material já apresentaram, só que dessa vez com um tema diferente.

Sua letra fala sobre buscar e estocar o óleo do Senhor que é derramado sobre nossas vidas quando buscamos, sendo essa uma canção composta por um autor desconhecido por mim até então, mas que ao pesquisar, descobri que é cantor e backing-vocal de alguns cantores. 

É uma faixa bem singela em questão de interpretação e arranjos e, o maior destaque da produção da mesma, é o instrumento de corda usado em boa parte da música.


11. Me Guardará | (Composição: Emerson Pinheiro) | Duração 5:23

Praticamente, essa é a música que encerra a obra, já que as faixas em seguida são consideradas bônus na lista de canções do material.

Abordando o tema da proteção que Deus dá a cada um de nós, foi composta por Emerson Pinheiro, amigo de longa data da cantora e sua família. Tem uma letra pequena e bastante repetitiva e, em certo momento, ouvimos a intérprete entoar trechos de alguns versículos bíblicos. 

É a faixa mais leve, digamos assim, presente na obra, não sendo necessariamente uma canção animada, sendo crescente com o passar dos segundos com a presença do vocal. 

"O Senhor te guardará de todo o mal; ele guardará a tua vida. O Senhor guardará a tua saída e a tua entrada, desde agora e para sempre". Salmos 121.7,8


12. Saudade (Interpretação: Lucas Santos) | (Composição: Lucas Santos) | Duração 3:38

O filho mais novo da cantora, Lucas Santos, tinha apenas um ano de diferença de idade em relação a seu irmão mais velho e, vivendo uma vida inteira ao lado de um amigo, não somente um irmão, também sofreu bastante quando aprouve a Deus levá-lo para com Ele. 

Para poder expressar toda a dor que estava sentindo com essa situação, ele resolveu compor uma canção baseada no fato que assolou todo a sua família e gerou comoção no país. 

Em sua letra, ouvimos que a saudades que ele tem sentido aqui é momentânea, já que em breve vamos encontrar com todas as pessoas que já perdemos um dia ao entrar nos céus. 

Na reta final da música, a cantora faz segunda voz para seu filho, assim como o mesmo fez para ela na faixa que abre o álbum. 

"Mais ainda vou ver o seu rosto outra vez. Juntos iremos ter alegria de viver em união. Eu ainda vou ver o seu rosto outra vez", diz um dos versos da canção. 

Assim como disse no início dessa análise, existem males que vem para o bem, e Lucas acabou despertando nele o dom de compor, que Deus também entregou para sua mãe e, que se ele começar a pôr em prática em novas músicas, poderá dar mais do que certo.


13. O Milagre Sou Eu - Instrumental | (Sax Tenor: Josué Lopez) | (Melodia: Eyshila) | Duração 3:59 

Para encerrar o material, temos como faixa bônus a versão da música que abre o disco e ainda o intitula, sendo tocada através de um sax por Josué Lopez, produtor musical e irmão da cantora Jozyanne. 

A idéia ficou bem interessante e fecha o álbum de uma forma diferente e muito bem feita, já que o dom do saxofonista dispensa comentários.


Enxergando esse trabalho de uma forma emocional, ele é tudo que poderíamos esperar e até querer por parte da cantora, que passou algo que nenhuma mãe, sendo cantora ou não, gostaria de passar em sua vida, trazendo canções bem emotivas que saíram do coração e do íntimo da cantora e agora podem ser ouvidas por todos nós. 

De um lado comercial, em muitos momentos a obra parece um trabalho bastante picotado por apresentar uma regravação aqui, outra regravação ali, uma faixa bônus de cá e outra de lá, também trazendo em grande excesso canções com temas mais melancólicos, que na verdade são justificados pelo fato que todos nós já sabemos. 

E, apesar de tudo, a cantora ainda se mostra como uma das grandes compositoras da música gospel do país e, deixou não só com esse álbum, mas, também, com seu testemunho de vida, uma lição muito forte de que o milagre que nós não recebemos de Deus, ficou, na verdade, guardado em nós mesmos.


Por Herick Marques Diener


Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Comentários
0 Comentários
Obrigado pelo seu comentário
var pres = document.getElementsByTagName("pre"); for (var i = 0; i < pres.length; i++) { pres[i].addEventListener("dblclick", function () { var selection = getSelection(); var range = document.createRange(); range.selectNodeContents(this); selection.removeAllRanges(); selection.addRange(range); }, false); }